7.9.15

#Textos: Vamos elogiar?‏


Mesmo sendo jornalista não tenho o hábito de assistir aos programas de tv (aliás, isso é algo que todo mundo julga). Uma vez ou outra me rendo a algum filme, talvez uma série que eu realmente goste...mas mesmo assim fico mais na internet. Dias atrás, ao chegar em casa para almoçar, a televisão estava ligada em uma emissora que agora não me recordo qual, mas o tema da conversa era elogio.  Para ilustrar, uma reportagem sobre um grupo de pessoas, em Búzios, que tira alguns minutos do dia para entregar flores e elogiar as pessoas.

Aquilo me chamou a atenção. Ver a cena de alguém, perdido nos pensamentos, talvez irritado por um problema qualquer, acabar sendo desarmado por outra pessoa que talvez nunca tenha visto antes, entregando-lhe uma flor e desejando-lhe um bom dia acompanhado de uma frase boa qualquer. Uma maneira inusitada de fazer o bem, literalmente, sem ver a quem. O mais curioso da cena era a reação da pessoa elogiada: paralisada, sem reação, com sorriso tímido, bem sem graça, do tipo "e agora, o que eu faço?".

Assistir aquela cena me fez refletir sobre o quanto somos bons em criticar e péssimos em elogiar, valorizar as pessoas e boas ações. Se torna muito fácil falar do quanto o trabalho está mal feito, da grosseria, da roupa ou do comportamento inadequado, do tom de voz e coisas do tipo. Mas e elogiar?  Valorizar uma atitude simples, agradecer pelo bom trabalho, ou simplesmente falar o quanto a pessoa está bem...E não falo apenas dos relacionamentos interpessoal mas unipessoal também. Acordar, olhar no espelho, dar aquele belo sorriso e começar o dia de bem com a vida. Cade tudo isso? Cada vez mais raro nessa correria louca que foi imposta. 

Me desafiei a me desarmar. Ser mais humana. Esbanjar mais sorrisos e menos críticas (parte difícil para mim, língua afiada). Mas estou tentando...querendo fazer a minha parte. E você, se desafiaria também?





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desenvolvimento por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo